9 de jul de 2009

Quando...


Quando um homem chora é porque apagou
Uma vela acesa que se transformou
Quando um homem grita, silêncio adiou
A tristeza aflita que de mim voou

Se pudesse ser mais um ao luar;
Se soubesse que na rua te ia ver dançar
Ia então dar-te a mão, deixar-me embalar

Quando um homem erra é porque ousou
Transformar a guerra num rasto de pó
Quando um criança ao peito juntou
Um abraço imenso que tudo mudou

(João P. Pais)

Nenhum comentário: